Postagens

Mostrando postagens com o rótulo Eleições

A tendência é que os fanáticos permaneçam com o mito e a elite migre para o 'justiceiro'

Imagem
A desaprovação de Bolsonaro é o menor desde o início do seu mandato. 65% dos entrevistados afirmaram ter uma imagem negativa do mandatário da nação e apenas 19% classificam a administração como ótima ou boa, segundo nova pesquisa Atlas , divulgada nesta segunda-feira (29). Essa queda brusca de popularidade se deve a entrada do seu ex-ministro da Justiça na disputa eleitoral. Atualmente, o ex-juiz já é a maior ameaça ao ninho bolsonarista, que teme ficar fora do segundo turno. O "gabinete do ódio” já está na linha de frente contra Moro, que conta com a grande mídia para atacar o ex-presidente Lula. O ex-juiz de Curitiba acolherá os desiludidos com o mito, incapaz impor a sonhada ditadura para perseguir a esquerda. Portanto, trocam o ditador pelo justiceiro na esperança que ele faça o que presidente não conseguiu concretizar, perseguir a esquerda,  como fez quando estava à frente da Lava Jato .  Aliás, o ex-ministro já foi uma espécie de “Super Man” pela elite. Dessa vez será o

Suplente de Flávio abandona o barco bolsonarismo e pula para o lavajatismo de Moro

Imagem
O ex-ministro da Justiça e Segurança Pública no governo Bolsonaro, Sérgio Moro, acolherá os náufragos do Titanic bolsonarista a deriva. Aliás, o ex-juiz de Curitiba já foi uma espécie de “Super Man” dessa turma. Dessa vez será o porto onde os botes salva-vidas aportarão. Segundo o colunista Guilherme Amado, Leonardo Rodrigues (Patriota-RJ), estará se filiando ao Podemos para se candidatar a deputado federal em 2022. Rodrigues, é o segundo suplente do Senado Federal, ao lado do senador eleito Flávio Bolsonaro. O ex-bolsonarista já foi acusado de receber propina , quando era secretário estadual de Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro no governo de Wilson Witzel. Atualmente, o ex-juiz já é a maior ameaça ao ninho bolsonarista, que teme ficar fora do segundo turno com a candidatura do ex-ministro. As reações já começaram com ataques como: comunista !

Lula mantém liderança enquanto Bolsonaro perde votos para Moro; Ciro encolhe e desaparece das redes

Imagem
O presidente Jair Bolsonaro (sem partido), candidato a reeleição, continua com os piores índices de aprovação e Moro nos seus calcanhares ganhando os votos de bolsonaristas arrependidos. Enquanto isso, Ciro Gomes encolhe e deixa de ser comentado nas redes sociais. Ciro já teve dias melhores quando estava sendo cotado como um possível vice de Lula. Uma indicação que teve o apoio de todo a esquerda, que considerava uma chapa imbatível.  Contudo, ele nunca foi de esquerda e decidiu adotar a tática da direita, contra Lula. Arrogante e eloquente no discurso, Ciro Gomes confiou na lábia ao concentrar seus ataques no favorito nas intenções de votos. Cometeu o erro de relacionar Lula à Prevent Senior, foco da investigação da CPI da Covid naquele período.  Essa agressão revoltou a esquerda, dividiu o PDT e causou a reação da  presidente do PT,  Gleisi gleisi Hoffmann, que disse: “Que fim de carreira’'.  Essa fake news contra Lula deixou o candidato a presidente pelo PDT ainda mais isolado e

O véio da Havan pula do barco e troca o bolsonarismo pelo lavajatismo

Imagem
O empresário Luciando Hang é um dos maiores aliados de Bolsonaro (sem partido), mas confessa se sente incomodado com a forma pejorativa que esse o rótulo é usado e ressalta que não concorda com tudo que o governo Bolsonaro faz. Essas observações são claros sinais de quem já decidiu abandonar o navio a deriva. Hang, já se ancorou em Sérgio Moro, a quem não poupa elogios pelas suas ações contra o PT; “Sem a operação Lava Jato, talvez o PT estivesse no poder até hoje. A Lava Jato mostrou as entranhas do poder, das estatais brasileiras, o quanto nós somos roubados diariamente”, diz o convertido em eleitor de Moro. O ex-bolsonarista avalia uma candidatura ao Senado pelo estado de Santa Catarina em 2022, no agrupamento do ex-juiz de Curitiba. O dono das lojas Havan afirmou que decidirá até abril se disputa a um cargo. Ele alega que há muitos “candidatos ruins” e que “não acreditam no capitalismo, no trabalho, na meritocracia como forma de crescimento”, afirmou o empresário. A verdade

Bolsonaristas das redes sociais parte com fúria para cima do candidato da Globo

Imagem
As eleições de 2022 será marcada por uma verdadeira guerra das milícias digitais entre Jair Bolsonaro e seu Rival, Sérgio Moro. Ambos possuem um grande “exercito” nas redes, prontos para os embates que seguirão até o próximo ano. A internet estará poluída de lixo eletrônico até lá. As milícias digitais de Bolsonaro já partiram para o ataque. Segundo o site  DCM , os bolsonaristas foram responsáveis pela maioria dos comentários sobre a filiação de Sérgio Moro ao Podemos. 49% das menções ao assunto no Twitter partiram de simpatizantes do presidente. 28% delas foram de apoiadores do ex-juiz. O ex-juiz conta com ativistas lavajatistas que lideram grupos de quase 3 milhões de seguidores nas redes sociais que participaram ativamente nos protestos pro Lava Jato e em apoio a Bolsonaro em 2018. Essa briga entre “criador e criatura”, beneficia o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que pode vencer em primeiro turno, com folga.

Vem aí uma nova avalanche de bolsonaristas para aparelhar o governo no ano eleitoral

Imagem
2022 será ano eleitoral e o presidente Jair Bolsonaro terá a oportunidade aparelhar o estado com uma avalanche bolsonarista em posições estratégicas. Isso será possível graças a aprovação pela Câmara no dia 8, de um aumento de quase 50% das vagas em cinco tribunais. Serão nomeados 75 desembargadores nos seis tribunais regionais federais do país. Após aparelhar os cargos chaves com militares, pastores, seus principais aliados, uma canetada dessa magnitude era tudo que o presidente queria. Está tudo dominado! A família está protegida e esses novos funcionários serão aguerridos cabos eleitorais do chefe. A boa notícia é que, mesmo usando a máquina estatal como fosse sua, as chances de reeleição serão remotas, com o seu ex-ministro da Justiça nos calcanhares para tirar votos dos insatisfeitos e que perdera a fé no fé “messias” dos evangélicos. Além disso, o ex-presidente Lula está no páreo com ampla vantagem nas pesquisas de intenções de votos.

A Lava Jato mostra a sua verdadeira face; a prisão de Lula fazia parte de um projeto político

Imagem
Deltan Martinazzo Dallagnol, procurador da República renunciou definitivamente ao seu cargo no Ministério Público, nesta quinta (4), para entrar na política. Provavelmente, dispute uma vaga à Câmara dos Deputados em 2022. Essa informação é de Eliane Cantanhêde no Estado de S.Paulo. A entrada de Dallagnol na política confirma o que já sabíamos desde o início; a prisão de Lula era o projeto político da Java Jato. A apresentação em Power Point em que colocava o ex-presidente Lula, líder absoluta nas pesquisas de intenções de votos, como “maestro de uma orquestra criminosa”, teve ampla cobertura da imprensa e foi decisivo nos resultados das eleições. Ficou evidente que Deltan Dallagnol não tencionava criminalizar apenas Lula, mas o partido criado por ele, como sendo uma “organização criminosa”. Os adversários políticos do ex-presidente vibravam  chamava o ex-juiz de "herói", porque os alvos eram políticos ligados a Lula e ao seu partido. No entanto, não havia provas;  “Não

Terceira via? | Moro se filiará a partido que votou com Bolsonaro em 81% das vezes

Imagem
  A legenda “nem à esquerda, nem à direita, para a frente”, é um engodo para tirar votos do candidato da esquerda. Os candidatos da confusa “terceira via” saíram do mesmo balaio bolsonarista; todos votaram em Bolsonaro por afinidade. Ninguém foi enganado, pois sabiam das reais intenções antidemocráticas do candidato da direita. O Partido que o ex-juiz federal e ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro se filiará, no dia 10, esteve alinhado em 81% das pautas antipopulares do governo, nos últimos três anos. Portanto, são farinhas do mesmo saco. A divergência entre Moro e seu ex-patrão se deu em virtude do não cumprimento da promessa de indicação para o Supremo, nada mais, além disso.

A velha mídia tentar inflar Moro como o candidato da sonhada "terceira via" da direita

Imagem
A turma do “nem Lula, nem Bolsonaro” aposta todas as fichas em Moro, ex-super juiz e ex-super ministro da extrema direita que ganhou fama por perseguir Lula e tirá-lo da disputa presidencial com acusações sem provas. As últimas pesquisas mostram Moro com 8% . O ex-juiz já aparece na frente de Ciro Gomes, João Doria e Mandetta. A candidatura do ex-juiz para presidente está sendo articulada pelo Podemos e os grupos: “Brasil Consciente” e o “Movimento Grita!”, além é claro, da velha mídia . No entanto, Moro sabe que, sem a toga de juiz seria massacrado em um eventual debate contra o Lula livre e inocentado das suas acusações, enquanto ele, ao contrário, condenado como juiz parcial. O homem que sempre violou o sistema acusatório para prejudicar adversários políticos, insiste no lema “Contra o sistema de corrupção”, com apoio de acusados de corrupção, como: O senador Álvaro Dias , do Podemos e Cássio Taniguchi . A sua pauta de campanha não atende os anseios populares. Por isso, mira

Deputado que espalhou fake news contra a urnas eletrônicas é cassado e se torno inelegível por oito anos

Imagem
   TSE cassa deputado bolsonarista por difundir fake news no Facebook durante votação em 2018. O presidente do TSE, Luís Roberto Barroso, finalizou o placar em 6x1, que também deixa Deputado Estadual Fernando Francischini inelegível por 8 anos. O parlamentar cassado havia usado lives nas redes sociais para promover agressões infundadas contra a democracia e o sistema eletrônico de votação durante as eleições em que foi eleito. A mentira de Francischini rendeu uma auditoria pública no TRE do Paraná, que finalmente negou a impugnação de urnas em que teria havido a tal fraude. A cassação do delegado PF licenciado, deputado Fernando Francischini (PSL-PR), norteará futuros julgamentos contra as campanhas de desinformação (de fake news)  nas redes sociais . É o primeiro precedente da Corte a incluir as redes sociais no conceito de meios de comunicação com base no artigo 22 da Lei Complementar64/1990 . O uso  indevido dos meios de comunicação social  por políticos e autoridades configur

Nem esquerda nem direita; o niilismo político de Ciro Gomes.

Imagem
  Ciro Gomes nunca foi de esquerda, a rivalidade entre o ex-governador do Ceará e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, vem de longe. Ciro Gomes deixou o governo do Ceará ( 1991-1994 ) com o mais alto índice de aprovação entre governadores de 12 Estados pesquisados pelo Datafolha. Uma aprovação que lhe rendeu o convite para assumir a pasta da Fazenda no governo de Itamar Franco, onde permaneceu por tumultuados 116 dias. Com um temperamento forte e declarações polêmicas, Ciro (PSDB) entra em choque com ninguém menos que Lula, líder sindical dos metalúrgicos do ABC paulista. Foi um embate de proporções nacionais que se repetiria nas corridas presidenciais de 1998 e 2002 . Lula tentou uma aproximação com Ciro para derrotar Bolsonaro em 2018, mas sem sucesso. Cogitado ara  ser vice de Lula em 2022, t eve o apoio da esquerda, mas escolheu seguir o conselho do extremista Olavo de Carvalho e voltou-se contra o maior líder da esquerda latino-americana. Eloquente no discurso, Ciro co

Sem votos para o segundo turno a "terceira via" concentra ataques contra Lula e esquece Bolsonaro

Imagem
  A terceira via acredita em um segundo turno contra Lula, que já se tornou alvos dos ataques que precedem as eleições de 2022; Bolsonaro é deixado de lado. Enquanto isso, o ex-juiz Sérgio Moro corre por fora acreditando numa pesquisa interna do Podemos. Pouco importa a destruição do Brasil pela extrema, para a elite, o principal inimigo será sempre um líder popular. No entanto, a terceira via tem poucas chances de emplacar um candidato no segundo torno, pois saíram do mesmo balaio do golpismo e tiveram coparticipação na eleição do atual presidente. Depositam as esperanças na possível cassação da chapa Bolsonaro/Mourão. Não seremos surpreendidos se optarem por apoiar Bolsonaro sob o verniz da “neutralidade”, caso fiquem fora do segundo turno; que o diga Ciro Gomes, por experiência. O elitismo é a única coisa que unem os políticos de direita e extrema-direita, que ancorados na religião legitima o “direito divino” de que a classe dominante foi escolhida por Deus governar sobre os demais