O padre fake é um personagem criado pelo submundo bolsonarista para propagar o ódio com máscara religiosa

Candidato à presidente nas eleições 2022, autoproclamado sacerdote, ‘padre’ Kelmon (PTB), natural de Acajutiba, na Bahia, é mais um produto genérico do supermercado da fé, criado pelo bolsonarismo para combater a esquerda. Kelmon Luis de Souza, chamou a atenção por se revelar um autêntico cabo eleitoral de Bolsonaro, no debate da TV Globo, dia 29. 

Não é para menos, pois é uma cria de Roberto Jefferson, para substituí-lo na disputa eleitoral, já que foi barrado pela Justiça Eleitoral. O plano foi arquitetado para fazer “dobradinha” com o candidato à reeleição Jair Bolsonaro (PT) e favorecê-lo na corrida pela reeleição. Chamado de candidato laranja, por Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Soraya Thronicke (União Brasil), Kelmon, não é nem nunca foi membro leigo ou clérigo de nenhuma das Igrejas Ortodoxas. 

Um documento assinado pelo arcebispo e núncio apostólico Dom Tito Paulo Hanna, deixa claro.

“Não possuímos qualquer relação ou comprometimento com o mesmo [o candidato] ou mesmo com qualquer dos seus feitos, passados ou presentes”, diz, na carta. 

Conforme os sacerdotes da Igreja Ortodoxa no Brasil, a indumentária da ortodoxia é de fácil acesso nas redes sociais. No entanto, alguns especialistas explicam que as vestimentas não estão acordo com as convenções religiosas e não são compatíveis com a figura de um padre. 

Kelmon publicou um vídeo onde o suposto chefe de uma obscura organização religiosa diz que o candidato do PTB é “parte da nossa jurisdição eclesiástica”. A autoproclamada Igreja Católica Apostólica Ortodoxa do Peru, que não é reconhecida pelas igrejas Ortodoxas canônicas. Hoje em dia, é fácil fundar uma igreja e qualquer picareta da fé se autodenominar padre, bispo e até apóstolo, pois o negócio é lucrativo, além de servir como trampolim para uma carreira política em um país de analfabetos políticos como o Brasil.

Fontes: O Globo, Valor, Veja e G1

Postagens mais visitadas deste blog

Atenção | Senador e candidato à presidência, Alexandro Vieira deixa o Cidadania

Cai o ministro que autorizou uso de sua imagem em exemplares da Bíblia e recebeu pastores lobistas

A viagem de Lula pelo nordeste rachou a base de Bolsonaro na região.