A Lava Jato mostra a sua verdadeira face; a prisão de Lula fazia parte de um projeto político

Deltan Martinazzo Dallagnol, procurador da República renunciou definitivamente ao seu cargo no Ministério Público, nesta quinta (4), para entrar na política. Provavelmente, dispute uma vaga à Câmara dos Deputados em 2022. Essa informação é de Eliane Cantanhêde no Estado de S.Paulo.

A entrada de Dallagnol na política confirma o que já sabíamos desde o início; a prisão de Lula era o projeto político da Java Jato. A apresentação em Power Point em que colocava o ex-presidente Lula, líder absoluta nas pesquisas de intenções de votos, como “maestro de uma orquestra criminosa”, teve ampla cobertura da imprensa e foi decisivo nos resultados das eleições.

Ficou evidente que Deltan Dallagnol não tencionava criminalizar apenas Lula, mas o partido criado por ele, como sendo uma “organização criminosa”. Os adversários políticos do ex-presidente vibravam  chamava o ex-juiz de "herói", porque os alvos eram políticos ligados a Lula e ao seu partido. No entanto, não havia provas; “Não temos prova, mas temos convicção”, Disse Dallagnol.

Entretanto, a verdade pode até ficar doente, mas não morre, como bem disse o ex-presidente Lula. Finalmente, a verdade veio a tona com os algozes do inocente, julgados suspeitos. A maioria dos lavajatistas foram fazer parte do governo Bolsonaro, o maior beneficiado com com o resultado da prisão do favorito e Moro e Dallagnol cumprem suas agendas entrando para a política.

Postagens mais visitadas deste blog

Senador petista não segue o partido, vota a favor de Bolsonaro e revolta a esquerda

A tendência é que os fanáticos permaneçam com o mito e a elite migre para o 'justiceiro'

Suplente de Flávio abandona o barco bolsonarismo e pula para o lavajatismo de Moro